Blog do JJP - Notícias Populares do Maranhão

Cinco nomes já se colocam como pré-candidatos ao Governo do Maranhão

Em 2022, o maranhense terá a oportunidade de escolher o novo governador do Maranhão e essa situação já gera muita disputa entre os personagens da política maranhense, afinal muitos querem assumir o comando do Palácio dos Leões. Porém poucos tem condições de viabilizar seus nomes para a disputa.

O Blog traz um levantamento daqueles que já trabalham para o pleito do próximo ano.

Carlos Brandão – O natural sucessor de Flávio Dino, o vice-governador levanta vantagem por ser o primeiro na linha sucessória e ainda sentar na cadeira de governador, caso Flávio vá disputar algum cargo em 2022. Brandão conta com um time de apoiadores importantes, seja dentro do governo ou fora do governo. Alguns que o apoiam, enxergam como uma oportunidade de também chegar ao Palácio dos Leões futuramente, uma vez que em 2026 ele não poderia ir para reeleição.

Brandão tem como aliado o ex-governador Ze Reinaldo Tavares, que fez o mesmo caminho em 2002, quando vice de Roseana, acabou se reelegendo governador, após afastamento da filha de Sarney para disputar o Senado.

Weverton Rocha – O mais astuto político maranhense da atualidade, já deixou claro que deseja ser governador a qualquer custo. Apesar de ser do grupo de Flávio Dino, o pedetista não enxerga problemas em romper com o comunista para atingir os seus objetivos.

Weverton tem uma ascensão política meteórica. Em 2010, disputou o cargo de deputado federal, mas ficou na suplência. Mas a partir de 2012, ele vem alcançando vitórias importantes desde a vitória de Edivaldo a prefeitura de São Luís. Logo em seguida se elegeu federal em 2014 e senador em 2018. Hoje administra também um conglomerado de comunicação.

Simplício Araújo – O secretário de Indústria e Comércio, pode ser uma opção para evitar um racha no grupo de Flávio Dino por conta da disputa entre Brandão e Weverton. Ele vem ganhando notoriedade por seu reconhecido e excelente trabalho no combate a pandemia da covid-19. Já demonstrando capacidade de gestão ainda mais em momentos de crise.

Simplício é um fiel aliado de Flávio Dino. Juntos desde 2014, o titular da Seinc é um ferrenho defensor do nome do governador. Apesar de não deter mandato eletivo, Araújo possui boa interlocução na direção nacional do Solidariedade e ainda acumula experiência com alguns parlamentares do Congresso Nacional.

Roberto Rocha – O senador aposta todas as suas fichas em Bolsonaro para alcançar um bom desempenho ou quem sabe a vitória em 2022. Caso obtivesse sucesso nas urnas encerraria a discussão de que foi Flávio Dino que o levou a vitória do Senado em 2014.

Com a experiência de mandatos de deputado estadual, deputado federal, vice-prefeito de São Luís e atualmente de senador, Roberto tenta alcançar o mesmo feito do pai que foi governador na década de 80. Roberto Rocha também possui veículos de comunicação, mas pouco explora a seu favor.

Lahesio Bonfim – O prefeito de São Pedro dos Crentes é um franco-atirador nessa pré-corrida eleitoral. Filiado ao PSL, o gestor não possui articulação nem estadual ou federal, mas quer sair como o nome da direita maranhense.

Lahesio tem como trunfo o fato de ter sido reeleito com o maior percentual em proporção, 93% dos votos na pequena São Pedro dos Crentes. O número só tem um valor simbólico, pois pouca representa para o estado.

Vale destacar que nas últimas disputas estaduais de 2010, 2014 e 2018, todas terminaram no primeiro turno, assim como em 1998 e 2002. Apenas 1994 e 2006, as disputas terminaram de forma acirrada e no segundo turno.

Quatro deputados do Maranhão votam contra prisão de Daniel Silveira

AQUILES EMIR

Dos 18 deputados pelo Maranhão, apenas quatro votaram nesta sexta-feira (19) contra a prisão do também parlamentar pelo Rio de Janeiro Daniel Silveira (PSL). Foram registrados ainda doze votos a favor, uma ausência e uma Abstenção.

O parlamentar foi preso quarta-feira (17), por determinação do ministro Alexandre de Moraes, após postar um vídeo com ofensas aos membros da Suprema Corte. Na sessão desta sexta, ele se disse arrependido e pediu desculpas a quem se sentiu ofendido com suas palavras, segundo ele, ditas num momento de pura emoção, em que não mediu as consequências.

Foram, ao todo, 364 votos a favor do parecer da relatora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), deputada Magda Mofatto (PL-GO), que recomendou a manutenção da prisão considerando “gravíssimas” as acusações imputadas ao parlamentar. Foram 130 votos contra e 3 abstenções.

Confira como votou cada deputado pelo Maranhão:

  • Aluisio Mendes (PSC-MA) – Não 
  • André Fufuca (PP-MA) – Sim
  • Bira do Pindaré (PSB) – Sim
  • Dr. Gonçalo (Republicanos) – Sim
  • Cleber Verde (Republicanos) – Sim
  • Edilazio Junior (PSD) – Sim
  • Gil Cutrim (PDT) – Sim
  • Gastão Vieira (PROS) – Sim
  • Hildo Rocha (MDB) – Não
  • João Marcelo S. (MDB) – Sim
  • JosimarMaranhãozi (PL) – Sim
  • Josivaldo JP (PODE) – Não
  • Junior Lourenço (PL) – Ausente 
  • Juscelino Filho (DEM) – Abstenção
  • Marreca Filho (PATRIOT) – Sim
  • Pastor Gil (PL) – Não
  • Pedro Lucas Fernan (PTB) – Sim
  • Zé Carlos (PT) – Sim

Prefeito de Codó responde aos blogs pagos para plantar terror através de Fake News sobre Saúde em Codó

O prefeito de Codó, Dr. Zé Francisco, que vem dia e noite se movimentando para melhorar a saúde e combater o corovavírus, não foge de suas responsabilidades e grava vídeo esclarecendo ataques de blogs maldosos pagos pelo grupo passado que não querem o bem para o município, blogs esses que vêm causando um terror na população com notícias vazias com o objetivo maior de manchar o governo.

Apelo aos codoenses

O prefeito também pediu um apelo para os codoenses ajudarem no combate ao coronavírus, evitando aglomerações, principalmente aqueles que tem pessoas da área de risco em casa. assistam.

Bolsonaro sugere fechar jornais em novo ataque à liberdade de imprensa

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a imprensa. Em live transmitida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), seu terceiro filho, Bolsonaro diz que “o certo” seria acabar com os veículos para que as notícias falsas parem de circular. “O certo é tirar de circulação, não vou fazer isso porque eu sou um democrata, GloboFolha de S.PauloEstadão, Antagonista… que são fábricas de fake news”, disse o presidente. Durante o passeio pelo litoral de São Francisco do Sul (SC), Bolsonaro voltou a causar aglomeração e a circular sem máscaras.

A censura e o fechamento de veículos são características de regimes ditatoriais, alguns deles defendidos por Bolsonaro, como o dos militares no Brasil entre 1964 e 1985. O presidente também criticou as redes sociais que têm atuado contra a disseminação de notícias falsas na internet e disse ser favorável à tributação das plataformas. “O governo [precisa], junto ao parlamento, criar uma legislação, taxar mais ainda esse pessoal [redes sociais], que paga pouco imposto dentro do Brasil”, afirmou durante passeio pelo litoral catarinense, onde passa o Carnaval. Facebook e Twitter, entre outras redes, têm limitado ou excluído totalmente postagens que contêm informações falsas.

O novo ataque de Bolsonaro à imprensa se soma a uma vasta coleção do presidente. Em janeiro, após a divulgação de reportagens que mostravam que o governo tinha gastado mais de R$ 15 milhões de leite condensado, Bolsonaro mandou a imprensa “enfiar no rabo” o produto. O Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil – 2020, elaborado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e lançado no último dia 26, mostra que o ano que passou foi o mais violento, desde o começo da década de 1990, quando a entidade sindical iniciou a série histórica. Foram 428 casos de ataques – incluindo dois assassinatos – o que representa um aumento de 105,77% em relação a 2019, ano em que também houve crescimento das violações à liberdade de imprensa no país.

EM CODÓ, A SECRETARIA DE AGRICULTURA NÃO PARA!

Foi realizada na manhã de hoje (18), uma reunião com o representante do Sindicato dos Produtores Rurais de Codó e SENAR Codó, Iêdo Barros, onde foi firmada uma parceria entre Secretaria de Agricultura e SENAR.

O secretário Antônio Zaidan destacou a importância da parceria e disse ainda que os agricultores serão contemplados com vários recursos, como por exemplo, uma formação profissional rural e também para promoção social. É a Prefeitura de Codó, cada vez mais próxima do homem do campo.

Presidente do Conselho de Ética, Juscelino Filho diz que ‘imunidade não é impunidade’ sobre caso Daniel Silveira

Com o devido cuidado para não demonstrar juízo de valor sobre o episódio envolvendo Daniel Silveira, o presidente do Conselho de Ética da Câmara, Juscelino Filho (DEM-MA), afirmou que aguarda o caso ser encaminhado para abrir o processo por quebra de decoro parlamentar.

Depois de um ano parado, o conselho volta a funcionar de forma híbrida – com reuniões virtuais e presenciais – na próxima semana.

Para Juscelino, um deputado não pode abusar da prerrogativa da imunidade de opinião que lhe é assegurada.

“Eu acho que qualquer um tem que se responsabilizar pelo que diz. Principalmente os parlamentares. Os deputados têm a garantia da imunidade parlamentar, mas não da impunidade. O parlamentar não pode confundir imunidade com impunidade. Temos que diferenciar uma coisa da outra”, disse Filho em referência ao deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), preso após ofender e ameaçar ministros do STF.

Apesar disso, Filho ressaltou que, como ainda não chegou uma representação formal ao Conselho, o colegiado ainda irá decidir como vai tratar essa questão. “É necessário ter processo formal. E mesmo em um caso como esse, é preciso se obedecer ao devido processo legal”.

Famem apoia pedido da CNM para saída do ministro Eduardo Pazuello

A Confederação Nacional de Municípios, entidade que lidera o movimento municipalista no país, está solicitando a troca de comando do Ministério da Saúde. Em nota publicada, a CNM atribui a incompetência na condução da pasta o sofrimento da população brasileiras nas filas em busca da vacina contra a covid-19.

O ministro Eduardo Pazuello é alvo de inquérito que investiga responsabilidades da autoridade sanitária do país na crise de oxigênio em Manaus (AM) que resultou em mortes de centenas de pessoas.

Em algumas cidades do país, a falta de vacina provoca a campanha de imunização ainda do primeiro grupo prioritário. O ritmo de vacinação tem contribuído para aumentar ainda mais o número de infectados pela nova variante do coronavírus. A falta de informações por parte do Ministério da Saúde aos prefeitos e prefeitos vem gerando crise entre gestores e a população.

Na manifestação, a CNM cita a descrença irresponsável do Ministério da Saúde, como órgão de estado, na vacinação da população brasileira.

Nota da CNM – O movimento municipalista, por meio da Confederação Nacional de Municípios (CNM), vem a público, em nome dos gestores locais que assistem e vivem desesperadamente a angústia e o sofrimento da população que corre aos postos de saúde na busca de vacinas contra a Covid-19, manifestar sua indignação com a condução da crise sanitária pelo Ministério da Saúde e solicitar a troca de comando da pasta. A entidade tem acolhido relatos de prefeitas e prefeitos de várias partes de país, indicando a suspensão da vacinação dos grupos prioritários a partir desta semana, em consequência da interrupção da reposição das doses e da falta de previsão de novas remessas pelo Ministério.

Foram várias as tentativas de diálogo com a atual gestão do Ministério, entre pedidos de agenda e de informação. A pasta tem reiteradamente ignorado os prefeitos do Brasil, com uma total inexistência de diálogo. Seu comando não acreditou na vacinação como saída para a crise e não realizou o planejamento necessário para a aquisição de vacinas. Todas as iniciativas adotadas até aqui foram realizadas apenas como reação à pressão política e social, sem qualquer cronograma de distribuição para Estados e Municípios. Com uma postura passiva, a atual gestão não atende à expectativa da Federação brasileira, a qual deveria ter liderado, frustrando assim a população do País.

Por considerar que a vacinação é o único caminho para superar a crise sanitária e possibilitar a retomada do desenvolvimento econômico e social e por não acreditar que a atual gestão reúna as condições para conduzir este processo, o movimento municipalista entende necessária, urgente e inevitável a troca de comando da pasta para o bem dos brasileiros.

Indicação de Marcelo para o TCE é garantia de Flávio Dino, não de Brandão

Chefe da Casa Civil do governo recebeu as garantias do governador comunista como reconhecimento pela coordenação de suas duas campanhas vitoriosas; para o vice-governador, saída do principal aliado enfraquece ainda mais seu projeto

Engana-se quem pensa que a já consolidada indicação do chefe da Casa Civil Marcelo Tavares (PSB) para o TCE – na vaga a ser aberta em agosto com a aposentadoria do conselheiro Nonato Lago – seja articulação do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos).

Marcelo não é indicação de Brandão; e sua saída nem é do interesse do projeto eleitoral do vice, que perde força no Palácio dos Leões com a perda do chefe da Casa Civil.

A ida do sobrinho do ex-governador José Reinaldo Tavares para o TCE é um compromisso do próprio governador Flávio Dino (PCdoB).

Marcelo Tavares coordenou as duas campanhas eleitorais vitoriosas de Flávio Dino – a de 2014 e a de 2018 – e recebeu a garantia de que seria agraciado com a vaga.

Além disso, a indicação de Tavares garante a ascensão de um suplente ao posto de deputado estadual, garantindo mais um aliado do governo na Assembleia Legislativa.

O resultado é que, cerca de oito meses antes de assumir o governo, o principal defensor de seu nome estará fora do Palácio.

E sem esse defensor, a tendência é ficar ainda mais fraco à medida que o tempo passa…

Aluisio tenta barrar ‘módulos de encontros íntimos’ para presos no MA

Após a reprovação popular da construção de cabines íntimas para presidiários durante a pandemia pelo governo Flávio Dino, o deputado federal Aluísio Mendes (PSC-MA) decidiu tentar impedir a ação.

Segundo revelou o Blog do Gilberto Léda na sexta-feira passada (5), a gestão Flávio Dino (PCdoB) pagará R$ 1.318.152,60 pelos pelos equipamentos. O valor é referente a dois lotes de mais de R$ 600 mil. O contrato foi assinado pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Serão), no dia 28 de janeiro (saiba mais).

A ação de Aluísio Mendes na Procuradoria Geral da República questiona a prioridade, moralidade e eficiência da contratação, demonstrando que em plena pandemia a secretaria evita medidas preventivas para realizar ações que podem potencializar a proliferação do contágio.

Para Mendes a lei do FUNPEN “demonstra que em vez de se construir verdadeiros “motéis” para encontros íntimos dos detentos, que são um risco à própria população carcerária, em face de gerar riscos de contágio, podem ser feitas construções, adequações e aperfeiçoamentos nas unidades prisionais para enfrentarem a pandemia, melhorando-se às práticas de distanciamento dos detentos e fazendo adequações nas instalações de saúde das unidades prisionais.”

Aluísio ainda afirmou já ação que “em vez de tamanho gasto ser realizado para “cuidar” dos encontros íntimos dos presos, deveria, pela lei, serem realizadas políticas públicas de efetiva proteção das vítimas dos crimes”. Pedindo ao Procurador Geral da República para “viabilizar o investimento de tais valores na compra de vacinas e insumos para proteger a vida dos maranhenses no enfrentamento da pandemia ou, em sendo adotado entendimento de direcionamento exclusivo dos recursos ao sistema carcerário, que os recursos sejam direcionados para a compra de vacinas para os profissionais que trabalham no sistema carcerário e detentos.”

Roberto Rocha será candidato a governador com apoio de Bolsonaro, diz O Antagonista

AQUILES EMIR

O portal O Antagonista especulou nesta sexta-feira (12) que o senador Roberto Rocha (PSDB) será candidato ao Governo do Maranhão com apoio do presidente Jair Bolsonaro. A presença do parlamentar na comitiva presidencial nesta quinta-feira (11), na cidade de Alcântara, teria sido mais uma demonstração de apreço do presidente pelo adversário do governador Flávio Dino (PCdoB).

“Está tudo certo para Jair Bolsonaro apoiar o senador Roberto Rocha (PSDB), ex-socialista, ao governo do Maranhão no ano que vem. Ontem (quinta-feira), o presidente esteve no estado e topou gravar mais um vídeo ao lado de Rocha, que enalteceu o Executivo pela construção de uma ponte na região de Alto Parnaíba”, escreveu o portal.

Roberto Rocha, que foi eleito, em 2012, vice-prefeito de São Luís, e em 2014, senador, com apoio de Flávio Dino, quando ainda era filiado ao PSB, é hoje um dos maiores adversários do chefe do Poder Executivo. Na eleição passada, em 2018, disputou o Governo do Estado, mas ficou com menos de 3% dos votos.

Apesar de pertencer ao partido do governador de São Paulo, João Doria, um dos maiores adversários de Jair Bolsonaro, mesmo tendo sido eleito colocando seu nome ao do presidente, quando passou a se identificar como Bolsodoria, Roberto Rocha é um dos políticos mais próximos do Palácio dos Planalto. O governasor já pediu para os bolsonaristas tucanos deixarem a legenda, o que provocou uma crise no ninho, liderada pelo deputado Aécio Neves, de Minas Gerais.

Nesta quinta-feira (11), após a visita ao lado presidente a Alcântara, onde foram entregues títulos de propriedade a produtores rurais, o senadoor fez duas postagens em suas redes sociais.

“Entrega de títulos de propriedade às famílias maranhenses de Alcântara. Estamos corrigindo uma injustiça social que ocorria desde a década de 1980. A ação de hoje integra o plano de negócios para preparar o município para uma nova realidade, respeitando o direto das comunidades”, disse ele na primeiro.

Na segunda, anunciou a próxima visita de Bolsonaro ao Maranhão. “Em breve, o presidente Jair Bolsonaro e eu vamos inaugurar a nova ponte que liga o Alto Parnaíba/MA a Santa Filomena/PI. A ponte sobre o Rio Parnaíba é fundamental para o escoamento da produção do MATOPIBA para o Porto do Itaqui. Agradeço em nome do Maranhão, presidente.”

Em resposta, Bolsonaro disse que “todos nós sabemos que você, sim, é o senador que, junto ao governo federal, traz recursos para o seu estado”.